No momento você está vendo Quem foi Marco Aurélio? Conhecendo o Imperador Romano

Quem foi Marco Aurélio? Conhecendo o Imperador Romano

Isso faz parte de nossa pequena série de três partes sobre os três filósofos estóicos mais importantes: Marco Aurélio, Sêneca e Epicteto. Aqui você encontrará uma breve introdução a Marco, leituras sugeridas, três exercícios/lições dele, bem como uma seleção de citações. Você também pode ler nossa introdução ao estoicismo se não estiver familiarizado com a filosofia.

Introdução

Agasicles, rei dos espartanos, uma vez brincou que queria ser ‘o aluno de homens de quem eu também gostaria de ser filho’. É uma consideração crítica que precisamos fazer em nossa busca por modelos. O estoicismo não é exceção. Antes de iniciarmos nossos estudos precisamos nos perguntar: Quem são as pessoas que seguiram esses preceitos? Quem posso apontar como exemplo? Tenho orgulho de admirar essa pessoa? Eu quero ser mais como eles?

E o imperador romano Marco Aurélio, nascido há quase dois milênios (121 – 180), é um líder e exemplo que oferece um retumbante sim.

Marcus Annius Verus nasceu em uma família proeminente e estabelecida, mas ninguém na época poderia prever que um dia ele seria o Imperador do Império. Pouco se sabe sobre sua infância, mas ele era um jovem sério que também gostava de luta livre, boxe e caça. Por volta de sua adolescência, o imperador reinante na época, Adriano estava à beira da morte e não tinha filhos. Ele teve que escolher um sucessor e depois que sua primeira escolha, Lucius Ceionius, morreu inesperadamente, ele escolheu Antonino. Ele era um senador que também não tinha filhos e teria que adotar Marco, pela condição de Adriano, assim como o filho de Ceionius, Lucius Verus. Foi assim que o nome de Marco mudou para Marcus Aurelius Antoninus.

Depois que Adriano morreu, ficou claro que Marco seria o próximo na linha de sucessão para o cargo mais importante do império. Sua educação se tornaria uma preocupação séria e ele teria o privilégio de estudar com Herodes Atticus, um retórico de Atenas (Marco mais tarde escreveria suas Meditações em grego), bem como Marcus Cornelius Fronto, seu instrutor em latim cujas cartas de correspondência com Marco sobrevive até hoje. Marco também serviria como cônsul duas vezes, recebendo assim uma educação valiosa e prática.

Em 161, quando Antonino morreu e encerrou um dos reinados mais longos, Marco tornou-se o imperador do Império Romano e governou por quase duas décadas até sua morte em 180. Ele também co-governou no início com Lúcio Vero, seu irmão adotivo até A morte de Lúcio oito anos depois. Seu reinado não foi fácil: guerras com o Império Parta, as tribos bárbaras ameaçando o Império na fronteira norte, a ascensão do cristianismo e também a praga que deixou muitos mortos.

A morte de Marco ocorreu em 180 em seu quartel-general militar na moderna Viena. O historiador Cassius Dio descreve a atitude de Marco em relação a seu filho, Commodus, que ele fez co-imperador alguns anos antes e agora o sucederia: “[Marco] não era forte fisicamente e se envolveu em uma infinidade de problemas durante praticamente todo o seu reinado. Mas, de minha parte, admiro-o ainda mais por isso mesmo: em meio a dificuldades incomuns e extraordinárias, ele sobreviveu a si mesmo e preservou o império. Apenas uma coisa o impediu de ser completamente feliz, a saber, que depois de criar e educar seu filho da melhor maneira possível, ele ficou muito desapontado com ele.”

É importante perceber a gravidade daquela posição e a magnitude do poder que Marco possuía. Ele ocupou uma das posições mais poderosas do mundo na época, se não a mais importante. Se ele escolhesse, nada estaria fora dos limites. Ele podia ceder e sucumbir às tentações, não havia ninguém que pudesse impedi-lo de qualquer um de seus desejos. Há uma razão pela qual o ditado de que o poder em absoluto corrompe absolutamente foi repetido ao longo da história – infelizmente tende a ser verdade. E, no entanto, como observou o ensaísta Matthew Arnold, Marco provou ser digno da posição em que estava.

E não foi só ele quem deu esse veredicto. O famoso historiador Edward Gibbon escreveu que sob Marco, o último dos ‘Cinco Bons Imperadores’, “o Império Romano era governado pelo poder absoluto, sob a orientação da sabedoria e da virtude”. A orientação da sabedoria e da virtude. Isso é o que separa Marco da maioria dos líderes mundiais do passado e do presente. Basta pensar no diário que ele deixou para trás, que agora é conhecido como suas Meditações, que discutimos a seguir: os pensamentos privados do homem mais poderoso do mundo, admoestando-se sobre como ser mais virtuoso, mais justo, mais imune à tentação, mais sábio.

E para Marco, o estoicismo forneceu uma estrutura para lidar com as tensões da vida diária como líder de um dos impérios mais poderosos da história humana. Não é de surpreender que ele tenha escrito suas Meditações na última década de sua vida, enquanto fazia campanha contra invasores estrangeiros. Transmitido por seus mentores e professores, Marco abraçou os estudos do estoicismo que vemos nele agradecendo seu professor Rusticus por apresentá-lo ao estoicismo e Epicteto em Meditações. Outra influência sobre Marcus veio de Heráclito, cujos conceitos podemos ver ao longo de Meditações e que teve forte influência no pensamento estóico. Dado o mundo literário da época, Marcus provavelmente não foi exposto a Sêneca, outro dos três estóicos mais proeminentes.

O que é trágico sobre Marco, como escreveu um estudioso, é como sua “filosofia – que é sobre autocontrole, dever e respeito pelos outros – foi tão abjetamente abandonada pela linhagem imperial que ele ungiu em sua morte”.

Agora cabe a nós pegá-lo de volta.

Obras Notáveis e Leituras Sugeridas

As Meditações de Marco são talvez o único documento desse tipo já feito. São os pensamentos privados do homem mais poderoso do mundo dando conselhos a si mesmo sobre como cumprir as responsabilidades e obrigações de seus cargos. Originalmente intitulado “Para Ele mesmo”, Meditações é o texto definitivo sobre autodisciplina, ética pessoal, humildade, autorrealização e força. Provou ser igualmente inspirador para escritores como Ambrose Bierce e Robert Louis Stevenson, assim como foi para estadistas como Theodore Roosevelt, Wen Jiabao e Bill Clinton. Se você lê e não é profundamente mudado por ele, provavelmente é porque, como diz Marco Aurélio, “o que não transmite luz cria sua própria escuridão”. Como John Stuart Mill colocou em seu On Liberty, as Meditações são “o mais alto produto ético da mente antiga”.

É importante nos lembrarmos de que temos sorte de ter acesso a eles. Como explica Gregory Hays, durante séculos, vestígios dele foram perdidos até o início do século 10, “ele reaparece em uma carta do estudioso e clérigo Arethas”.

Você TEM que ler a tradução de Hays. Se você acabar amando Marco, vá buscar The Inner Citadel and Philosophy as a Way of Life, de Pierre Hadot, que estuda o homem (e os homens) por trás do trabalho. E se você quiser saber mais sobre o assunto, Marco inspirou O Obstáculo é o Caminho, que faz parte da nossa Biblioteca Estoica

3 Exercícios Estóicos de Marco Aurélio

1. Pratique as virtudes que você pode mostrar

É fácil sucumbir à autopiedade quando começamos a dizer a nós mesmos que nos faltam certos talentos, que sentimos falta de coisas que parecem vir tão facilmente para outras pessoas. Precisamos nos controlar quando o fazemos. Em vez disso, precisamos nos concentrar nas coisas que estão sempre dentro de nós: nossa capacidade e potencial para ações virtuosas. Como Marco escreveu para si mesmo:

“Ninguém jamais poderia acusá-lo de ser perspicaz.

Tudo bem, mas há muitas outras coisas que você não pode alegar que “não tem em você”. Pratique as virtudes que você pode mostrar: honestidade, seriedade, resistência, austeridade, resignação, abstinência, paciência, sinceridade, moderação, seriedade, altivez. Você não vê o quanto tem a oferecer – além de desculpas como “não posso”? E ainda assim você se contenta com menos.”

 

2. Obtenha força dos outros

Conforme discutido anteriormente, Marco provavelmente escreveu as notas para si mesmo, que agora são Meditações no campo de batalha, durante a última década de sua vida. Naqueles tempos de dificuldade e adversidade, ele escrevia para si mesmo notas de encorajamento, para se recompor, para cumprir seu dever. Um exercício que podemos tomar emprestado dele é extrair força das pessoas em nossas vidas ou simplesmente de modelos que nos inspiram. Como ele escreveu,

“Quando precisar de encorajamento, pense nas qualidades das pessoas ao seu redor: a energia de um, a modéstia daquele, a generosidade de outro e assim por diante. Nada é tão encorajador quanto quando as virtudes estão visivelmente incorporadas nas pessoas ao nosso redor, quando somos praticamente banhados por elas. É bom ter isso em mente.”

3. Foque no Presente

Marco conhecia as tentações que existem para todos nós de deixar nossa imaginação correr solta, imaginando todas as maneiras pelas quais as coisas podem dar errado. É claro que tal exercício pode ser útil para nos preparar para o futuro e nos preparar para a adversidade, mas Marco Aurélio entendeu bem que pode se tornar um medo paralisante que nos paralisará de qualquer ação útil. Como ele disse,

“Não deixe sua imaginação ser esmagada pela vida como um todo. Não tente imaginar tudo de ruim que poderia acontecer. Atenha-se à situação em questão e pergunte: “Por que isso é tão insuportável? Por que não consigo suportar isso?” Você terá vergonha de responder.

Em seguida, lembre-se de que o passado e o futuro não têm poder sobre você. Apenas o presente — e mesmo isso pode ser minimizado. Apenas marque seus limites. E se sua mente tentar alegar que não pode resistir a isso… bem, então envergonhe-a.”

Frases de Marco Aurélio

“Sim, você pode – se você fizer tudo como se fosse a última coisa que faria em sua vida, e parar de ser sem rumo, parar de deixar suas emoções anularem o que sua mente lhe diz, parar de ser hipócrita, egocêntrico, irritável.”

“De madrugada, quando tiver dificuldade para sair da cama, diga a si mesmo: ‘tenho que ir trabalhar – como ser humano. Do que tenho do que reclamar, se vou fazer aquilo para o qual nasci – as coisas para as quais vim ao mundo? Ou foi para isso que fui criado? Para se aconchegar sob os cobertores e se aquecer?’”

“Ao acordar de manhã, diga a si mesmo: As pessoas com quem lido hoje serão intrometidas, ingratas, arrogantes, desonestas, ciumentas e mal-humoradas. Eles são assim porque não conseguem distinguir o bem do mal”.

“Não se sentir exasperado, derrotado ou desanimado porque seus dias não estão repletos de ações sábias e morais. Mas para se levantar quando você falhar, para celebrar o comportamento humano – ainda que imperfeitamente – e abraçar totalmente a busca em que você embarcou.”

“A mente adapta e converte a seus próprios propósitos o obstáculo à nossa atuação. O impedimento à ação avança a ação. O que está no caminho se torna o caminho.”

“Sem descuido em suas ações. Nenhuma confusão em suas palavras. Nenhuma imprecisão em seus pensamentos.”

0 0 votes
Article Rating
8 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback

[…] líderes da história. Foi praticado por reis, presidentes, artistas, escritores e empresários. Marco Aurélio, Montaigne, George Washington, Thomas Jefferson, Theodore Roosevelt, Adam Smith — só para […]

trackback

[…] artigo faz parte de nossa série de 3 partes sobre os três filósofos estóicos mais importantes: Marco Aurélio, Sêneca e Epicteto. Aqui você encontrará uma breve introdução a Sêneca, leituras sugeridas, […]

trackback

[…] estoicismo é uma filosofia antiga que tem ganhado destaque nos dias atuais. Os ensinamentos dos pensadores estoicos são atemporais e podem ser aplicados em diversas áreas da nossa vida, seja no trabalho, nos […]

trackback

[…] suas Meditações — essencialmente seu próprio diário particular — Marco Aurélio escreveu […]

trackback

[…] Marco Aurélio escreve em […]

trackback

[…] pequena série de três partes sobre os três filósofos estóicos mais importantes: Marco Aurélio, Sêneca e Epicteto. Você encontrará uma breve introdução, leituras sugeridas, três […]

trackback
10 meses atrás

[…] artigo faz parte de nossa série de 3 partes sobre os três filósofos estóicos mais importantes: Marco Aurélio, Sêneca e Epicteto. Aqui você encontrará uma breve introdução a Sêneca, leituras sugeridas, […]

trackback

[…] “Não perca mais tempo discutindo o que um bom homem deve ser. Seja um.” – Marco Aurélio […]

trackback

[…] escreveu Marco Aurélio em suas […]